Celia Os: Desde la sombra: Instituto Tavistock: los arquitectos del futuro (E39)

http://vidasroubadasccc.blogspot.com.br/2015/10/desde-la-sombra-instituto-tavistock-los.html?m=1

Vários materiais em um só. Cópia de várias fontes. ENGENHARIA SOCIAL ESTABELECE DESENVOLVIMENTO GLOBAL

Assista também  Desde la sombra (E38): Control mental. El sueño dorado de los dueños del mundo

Discovery Channel – Arquivos Confidenciais – Ep. 03 – Controle da Mente (Full HD)

ivoox.com/control-mental-basado-trauma-mk-ultra-audios-mp3_rf_558786_1.html?autoplay=1

lavagem cerebral

Publicado em 17 de jul de 2013    (youtube)
Esta vez Daniel Estulin les invita a conocer el Instituto Tavistock en el condado de Sussex, Inglaterra; el centro mundial de lavado de cerebros en masa y de ingeniería social a gran escala. ¿Cuáles son los proyectos actuales del instituto? ¿Qué ocultan las investigaciones en las que trabajan los arquitectos de la “sociedad del futuro”?

Afirmo ser vítima de sequestro de vida para desenvolverem projeto político religioso em andamento

oferenda de orgia para massa, bichos curradores onde quer que eu vá

Sodomizam com agressões, doping’s, curras por décadas

Querem encobrir sustentando crime com calúnias e deturpações

Incitam a massa com arquétipos simbólicos da psiquiatria

Entregues à selvageria moderna, nossas vidas estão indefesas, sem a garantia de direitos

Hereges, hipócritas transmitem suas crenças favorecendo o crime

Por que não entregam no jurídico e criaram tal ficção para ostentamento do mesmo?

Por que executar jugo a revelia, bastaria levar na estância cabível….

Porque não há verdade no que propagam, crucificam vidas em função de crendices!!!

Mulher que sofre abusos por décadas não anda a caça de macho

MENTE DESCARADAMENTE PARA EMISSORAS TODA A EXPRESSÃO LITERÁRIA MIDIÁTICA FATURAR COM NOSSA FALÊNCIA

NOSSAS VIDAS NÃO SÃO NOSSAS, FAZEM SOFRER VIDAS ROUBADAS, PUNIÇÕES POR PROGRAMAS\PROJETOS QUE SÓ A OUTREM DÁ CONDIÇÕES DE FAZER ESCOLHAS

Não vi ninguém denunciar, ou acionar serviço social, médico, direcionamento legal, só criminalizam seres usados como bonecos de tv, robôs para sádicos dessa era

Sádicos que assistem como leêm bíblia, com gozo e satisfação de saber do sofrer na carne do outro

http://tribunadainternet.com.br/livro-que-relata-envolvimento-de-fhc-com-a-cia-esgota-edicao/

No livro, Saunders detalha como e por que a CIA promoveu congressos culturais, exposições e concertos, bem como as razões que a levaram a publicar e traduzir nos Estados Unidos autores alinhados com o governo norte-americano e a patrocinar a arte abstrata, como tentativa de reduzir o espaço para qualquer arte com conteúdo social. Além disso, por todo o mundo, subsidiou jornais críticos do marxismo, do comunismo e de políticas revolucionárias. Com esta política, foi capaz de angariar o apoio de alguns dos maiores expoentes do mundo ocidental, a ponto de muitos passarem a fazer parte de sua folha de pagamentos”.

‘Quem pagou a conta? A CIA na Guerra Fria da cultura’, no qual o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso

Principais trechos da pesquisa de Saunders:
1 – “A Fundação Farfield era uma fundação da CIA… As fundações autênticas, como a Ford, a Rockfeller, a Carnegie, eram consideradas o tipo melhor e mais plausível de disfarce para os financiamentos… permitiu que a CIA financiasse um leque aparentemente ilimitado de programas secretos de ação que afetavam grupos de jovens, sindicatos de trabalhadores, universidades, editoras e outras instituições privadas” (pág. 153).
2 – “O uso de fundações filantrópicas era a maneira mais conveniente de transferir grandes somas para projetos da CIA, sem alertar para sua origem. Em meados da década de 50, a intromissão no campo das fundações foi maciça…” (pág. 152). “A CIA e a Fundação Ford, entre outras agências, haviam montado e financiado um aparelho de intelectuais escolhidos por sua postura correta na guerra fria” (pág. 443).
3 – “A liberdade cultural não foi barata. A CIA bombeou dezenas de milhões de dólares… Ela funcionava, na verdade, como o ministério da Cultura dos Estados Unidos… com a organização sistemática de uma rede de grupos ou amigos, que trabalhavam de mãos dadas com a CIA, para proporcionar o financiamento de seus programas secretos” (pág. 147).
4 – “Não conseguíamos gastar tudo. Lembro-me de ter encontrado o tesoureiro. Santo Deus, disse eu, como podemos gastar isso? Não havia limites, ninguém tinha que prestar contas. Era impressionante” (pág. 123).
5 – “Surgiu uma profusão de sucursais, não apenas na Europa (havia escritorios na Alemanha Ocidental, na Grã-Bretanha, na Suécia, na Dinamarca e na Islândia), mas também noutras regiões: no Japão, na Índia, na Argentina, no Chile, na Austrália, no Líbano, no México, no Peru, no Uruguai, na Colômbia, no Paquistão e no Brasil” (pág. 119).
6 – “A ajuda financeira teria de ser complementada por um programa concentrado de guerra cultural, numa das mais ambiciosas operações secretas da guerra fria: conquistar a intelectualidade ocidental para a proposta norte-americana” (pág. 45).
 
o registro disso está aqui  o livro que sempre, que é lançado, esgota rapidamente
http://tribunadainternet.com.br/livro-que-relata-envolvimento-de-fhc-com-a-cia-esgota-edicao/

******************************************************************

Capítulo 1 – A Fundação do Primeiro Instituto de Lavagem Cerebral.
  Os responsáveis pelo financiamento desta empreitada foram a monarquia inglesa, Lord Rothschild e os Rockfeller. Os papéis que tive o privilégio de examinar mostraram que o propósito das pessoas da Wellington House era mudar a opinião do povo britânico, que estava decididamente contrário à guerra contra a Alemanha, uma tarefa formidável que foi realizada pela “formação de opinião” através de pesquisa de opinião pública (pooling). O estafe era composto por Arnold Toynbee, futuro diretor de estudos do Instituto Real de Relações Internacionais (RIIA em inglês) Lord Northclife e os americanos Walter Lippmann e Edward Bernays.
Capítulo 2 – A Europa despenca do precipício.
   A Europa, depois da Primeira Guerra Mundial e na época do final da revolução bolchevique, passou por muitas mudanças forçadas, de acordo com o plano de Tavistock. Quando, graças a Primeira Guerra Mundial, engendrada e instigada pelos ingleses a Europa despencou de um precipício no final de seu mundo, ou seria melhor dizer que perdurou como um zumbi até que desaparecesse o último de sua era na escuridão do abismo, então as mudanças forçadas se tornaram bem aparentes.
Capítulo 3 – Como os “Tempos” foram Obrigados a Mudar.
  O que estamos presenciando não é acidental, uma aberração da história. É sim o produto final de uma crise social e moral deliberadamente induzida, evidente em toda a parte: nos programas de “realidade” e de música da televisão, que parecem ser amalgamas de todos os mais baixos instintos, nos filmes quase pornográficos da Fox News (Faux News – Notícias Falsas) passados na maiores redes de cinema, na publicidade em que a modéstia e a decência foram lançadas aos quatro ventos, no comportamento grosseiro e chamativo nos lugares públicos, sobretudo nos restaurantes americanos, e nas hostes de marias-ninguém repentinamente “criadas” para se tornarem âncoras de televisão muito bem pagas, todas elas treinadas para falar de forma dura, com uma voz monótona e rascante, sem a menor cadência, como se falassem com a boca cerrada, de uma maneira que é bruta, aguda e desagradável para os ouvidos.
Capítulo 4 – Engenharia Social e Cientistas Sociais.
  Na será grande surpresa saber que Lewin e sua equipe fundaram o Centro de Pesquisa de Stanford, a Escola de Economia de Wharton, o MIT, o Instituto Nacional de Saúde Mental entre diversos outros institutos que carinhosamente acreditávamos serem instituições “americanas”. No passar dos anos, o Governo Federal contribuiu com milhões e milhões de dólares para Tavistock e sua rede expandida de instituições interligadas enquanto que a América Corporativa e Wall Street compareciam com quantias semelhantes.
Capítulo 5 – Temos o que H.G. Wells chamava de “Um Governo Invisível”?.
  Como relatei anteriormente, a ciência moderna de formar a opinião pública através de técnicas avançadas e manipulação da opinião da massa começou em uma das mais avançadas fábricas de propaganda do ocidente, situada na Inglaterra na Wellington
House.
Capítulo 6 – Comunicação de Massa Anuncia a Indústria de Formação de Opinião.
 Da mesma forma, o advento da comunicação em massa introduziu a indústria de polling/amostragem para que esta organizasse as percepções das massas para a máfia da mídia (parte do governo invisível que controlava o espetáculo nos bastidores)
Capítulo 8 – Degradação das Mulheres e Declínio dos Padrões Morais.
  O ritmo da degradação feminina aumentou acentuadamente desde que as barras dos vestidos chegaram aos joelhos. Isso se manifesta em áreas de quase pornografia em filmes e telenovelas e nós nos arriscamos a dizer que não está longe o dia em que tais cenas serão “totais e obrigatórias”.
Capítulo 10 – O polling amadurece.
  Planeja e desenvolve estratégia de longo prazo de uma forma totalmente disciplinada e unida. Comanda mais de 400 da empresas listadas no Fortune 500 nos Estados Unidos, com relações de interconexões que chegam a cada faceta do governo, comércio, bancos, política exterior, agências de inteligência e o setor militar. Absorveu todos os outros “grupos de poder” do início da história americana: os Rothschild, Morgan, o grupo Rockefeller, o establishment liberal do Leste, personificado pelas famílias Perkins, Cabot e Lodge, a nata do comércio de ópio da antiga Companhia das Índias Orientais que gerou bilhões e bilhões de dólares. Sua hierarquia compreende as velhas famílias descendentes da Companhia Britânica das Índias Orientais com suas vastas fortunas derivadas do comércio de ópio que é dirigido de cima para baixo, inclusive pela realeza européia, entre outros.
Capítulo 11 – A mudança do Paradigma da Educação.
  Durante a década de 1970, foi feita uma mudança dramática no currículo escolar de todos os níveis que chegou, … . Uma epidemia de “sexo casual” e de drogas grassou entre os adolescentes ainda no colegial e se alastrou por todo o país. Em julho de 1980, houve uma grande conferência internacional em Toronto, no Canadá, chamada Primeira Conferência Global sobre o Futuro, na qual 4.000 engenheiros sociais, especialistas em cibernética e futurólogos de todos os think tanksparticiparam. A conferência foi dirigida pelo presidente bilionário do Instituto Tavistock, Maurice Strong, que determinou a temática:
Capítulo 12 – A doutrina de Lewin de “Mudança de Identidade”.
  Guantánamo é o tipo de prisão que prevemos será criada por todos os Estados Unidos e pelo mundo todo, quando a Nova Ordem Mundial – Governo Mundial Único assumir o controle total do mundo. É sadista, desumano e bestial, planejado para quebrar o orgulho natural das vítimas, para quebrar a vontade de resistir e reduzindo os prisioneiros ao nível de animais.
Capítulo 13 – O Declínio Induzido da Civilização Ocidental entre as Duas Guerras Mundiais.
 A Liga das Nações foi o “primeiro rascunho” da Nova Ordem Mundial embutida no Governo Mundial Único que se aproxima rapidamente. As “propostas de paz” da Conferência de Paz de Paris, dirigida e controlada por Tavistock, visava aleijar a Alemanha tornando-a para sempre uma potência européia de segunda classe, com seu respeito próprio destruído através da demoção social para um estado de pobreza, ou, na melhor das hipóteses para um estado proletário. Não é surpreendente que o povo alemão tenha se voltado, enraivecido, para dar a Hitler a massa de seguidores que ele precisava para converter seu nacionalismo latente em uma força de ressurreição. Jamais saberemos se Tavistock errou no cálculo ou se, na verdade, criou a sua maneira a cena para uma guerra maior e mais sangrenta.
Capítulo 14 – A América não é uma “Pátria”.
  Stalin disse uma vez que caso se queira obter uma população dócil, então o medo e o terror tinham que ser lançados sobe ela.
De certo modo foi o que aconteceu nos Estados Unidos e na Inglaterra.
É o que está acontecendo no Brasil, onde diversas pessoas de formação estalinista ocupam cargos no governo.
Capítulo 15 – O Papel da Mídia na Propaganda.
  Um dos principais criadores da propaganda da época era Lord Northcliffe, o conhecido barão da imprensa, parente dos Rothschild, que detestava a Alemanha. Northcliffe dirigia a Wellington House como um grande centro de propaganda anti alemã e guardava um ódio especial a Guilherme II, o primo da Rainha Vitória, da notória dinastia dos Guelph de Veneza.
Capítulo 16 – A Propaganda Científica pode Enganar os Eleitos.
… . Porém, o propósito da propaganda é precisamente perpetuar o mito, a mentira ou a desinformação, que continuam vivos bem depois que a verdade já foi esquecida. O Japão será sempre culpado por Pearl Habor, e pelo “estupro de Nanquim”, enquanto Churchill continuará sendo sempre saudado como um grande homem, em vez de um fomentador de guerras. Da mesma forma que Colin Powell visitou o Iraque e voltou levantando a bandeira, que virou manchete, de que Hussein tinha “usado gás contra os curdos” durante a guerra Irã-Iraque.
Capítulo 18 – Graças a Propaganda, Wilson Força os Estados Unidos a Entrar na Primeira Guerra Mundial.
  As técnicas modernas de propaganda maciça que tinham se tornado conhecidas, sobretudo dos governos americanos e britânicos, começaram com a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Desde o início da guerra, propagandistas, tanto alemães quanto britânicos, trabalharam duramente para ganhar a simpatia e o apoio dos Estados Unidos.
Capítulo 23 – Instituto Tavistock: Controle da Inglaterra sobre os Estados Unidos.
  Quase todas as atividades mais recentes de Tavistock tiveram e ainda têm grande influência sobre o estilo de vida dos Estados Unidos e sobre nossas instituições políticas. Acredita-se que Tavistock esteja por trás da publicidade pró-aborto, da proliferação de drogas, do ataque a nossas tradições familiares e do ataque feroz à Constituição, de nossa má condução da política externa e de nosso sistema econômico, programado para fracassar.
Capítulo 25 – Ataque de Tavistock aos Estados Unidos.
  Lewin voou para Londres onde se juntou a Reese em Tavistock e recebeu sua primeira importante tarefa: fazer a propaganda da entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial, lançando uma blitz da mídia contra a Alemanha tanto na Europa quanto nos Estados Unidos. Ele foi admiravelmente bem sucedido no que resultou na maior campanha de propaganda da história, uma que levou o povo americano a um frenesi de ódio contra a Alemanha e, mais tarde, contra o Japão.
Essa blitz acabou custando a vida de centenas de milhares de soldados americanos e despejou bilhões de dólares nos cofres de Wall Street e dos bancos internacionais e nos braços dos comerciantes.
Nossas perdas em vidas e tesouros nacionais jamais serão recuperadas.
Capítulo 26 – Como Políticos, Atores e Cantores Medíocres são “Inflados”.
  Ainda por volta de seus vinte anos em Arkansas, William Clinton foi perfilado para ser aceito no programa de bolsa de estudos de Rhodes. Seu progresso foi acompanhado durante toda sua carreira, principalmente durante o período da Guerra do Vietnam. Então, depois de ser aprovado, Clinton foi “treinado” para a Casa Branca e a partir daí “inflado” constantemente. É claro que sua conexão com os Illuminati o ajudou muito.
Capítulo 27 – A Fórmula de Tavistock que levou os Estados Unidos a entrar nas Guerras do Golfo
  Tavistock trabalha para o Clube de Roma, o CFR, a Comissão Trilateral, o Fundo Marshall Alemão, a Sociedade Mont Pelerin, o grupo Ditchley, a Casa Maçônica Quator Coronati, o Banco de Acordos Internacionais, o Banco Mundial (BIS) e o Fundo Monetário Internacional.
Capítulo 28 – Como Tavistock Faz Pessoas Saudáveis Ficarem Doentes.
  Foi Reese quem lançou o método de controle de campanhas políticas, além de técnicas de controle mental que continuam até hoje, e foi Reese e Tavistock que ensinaram URSS, Vietnam do Norte, China e Vietnam como aplicar suas técnicas – tudo o que sempre quiseram saber sobre lavagem cerebral individual ou de um grupo de pessoas.
Capítulo 30 – Minha Escolha de Candidato, Não Minha Opção.
  Vejamos como é feita uma eleição. Vota em um candidato do partido escolhido pelo eleito do partido, quase sempre sob controle total do Comitê dos 300.
Isso não é um voto num candidato de escolha, como vivem nos dizendo.
Na verdade, os eleitores não têm opção a não ser escolher entre pessoas pré selecionadas.
Os candidatos em que o público acredita estar votando por opção (nossa opção) foram cuidadosamente examinados pelo Instituto Tavistock, e nós sofremos lavagem cerebral para vê-los de forma virtuosa.
Capítulo 32 – Expondo o Governo Secreto Paralelo Superior.
  A única forma de vencermos esse inimigo poderoso e insidioso é através da educação de nosso povo sobre a Constituição, principalmente nossos jovens, e permanecendo firmes em nossa fé cristã.
Caso contrário, nossa inestimável herança será perdida para sempre.
O poder de Tavistock sobre este país precisa ser quebrado.
Espero que este livro se torne um manual de treinamento nas mãos de milhões de americanos que queiram enfrentar o inimigo, mas que até agora não conseguiram identificar tal inimigo.
Capítulo 33 – Interpol nos EUA: Um Projeto Rockefeller Tavistock.
  A empresa particular de inteligência de David Rockefeller, a INTERPOL, está entre as várias agências internacionais atendidas por Tavistock.
A interação do Tenente Coronel Nivaldo Madrin, do Panamá, do General Guillermo Medina Sanchez, da Colômbia, e de certos elementos da polícia federal mexicana com status de Interpol, aponta nessa direção. Suas histórias de envolvimento com o tráfico de drogas enquanto servindo a Interpol são longas demais para serem incluídas aqui, mas basta dizer que são histórias sórdidas. No entanto, apesar da Interpol ser uma organização privada, ela recebeu “status de observadora” das Nações Unidas (ONU) em 1975, o que permite (em total violação à Carta da ONU) que a Interpol participe de reuniões e vote resoluções, mesmo não sendo um país-membro e não tendo status de governo. De acordo com a Carta da ONU, só Estados (na plena definição da palavra) podem ser membros da ONU. Como a Interpol não é um estado, por que a ONU viola sua Carta?
Capítulo 34 – Os Cultos da Companhia da Índia Oriental.
  Durante séculos a oligarquia britânica foi o lar do ocultismo, da metafísica e do controle mental. Bulwer Lytton escreveu Os Segredos do Livro Egípcio da Morte e muitos dos adeptos da Sociedade Teosofista de Annie Besant vieram das classes altas britânicas… Os descendentes dos Cátaros e Albigensianos do sul da França e do norte da Itália que migraram para a Inglaterra e adotaram o nome “Savoiardos”. Antes deles vieram os Bogomils dos Bálcãs e os Pelicanos da Ásia Menor. Todas essas seitas se originaram dos Maniqueus babilônicos.
Investidas nesse tipo de ocultismo foram feitas pelo Instituto Tavistock usando algumas de suas técnicas de controle mental desenvolvidas por Kurt Lewin e sua equipe de pesquisadores. (Vide O Comitê dos 300, 4a Edição, para mais detalhes). A Companhia da Índia Oriental (EIC) e mais tarde a Companhia Britânica da Índia Oriental (BEIC) foram os “300” originais, cujos descendentes governam o mundo de hoje. O comércio ilegal de ópio e drogas era o material negociado na época, e permanece até hoje. Desta altamente organizada e complexa estrutura nasceram o Socialismo, o Marxismo, o Comunismo, o Nacional Socialismo e Fascismo.
Capítulo 35 – A Indústria Fonográfica, Controle Mental, Propaganda e Guerra.
  O Presidente Kennedy mostrou-se impermeável ao controle mental por Tavistock, então foi escolhido para execução pública como um alerta àqueles que aspiram ao poder, de que ninguém é maior do que o Comitê dos 300.
O pavoroso espetáculo da execução de Kennedy foi uma mensagem ao povo americano; uma que, até agora, eles não sabem qual foi. Talvez o Instituto Tavistock tenha feito o mapa da execução de Kennedy.
… .
A distribuição/produção de TV inclui Warner Bros. Television, HBO Independent Productions, Warner Bros. Television Animations, Telepictures Productions, Castle Rock Television, New Line Television, Citadel Entertainment, Hanna Barbera Cartoons, World Championship Wrestling, Turner Original Productions, Time Warner Sports, Turner Learning e Warner Home Vídeos.
Sua biblioteca possui 28.500 títulos de televisão e curtas animados.
… .
Empresa britânica com receita estimada em US$ 6 bilhões em 1999 que possui 60 títulos musicais em 46 países: Rock / Pop / Rap, Beetle Boys, Chrysallis, Grand Royal, Parlaphone, Pumpkin Smashers, Virgin, Point Blank.
A EMI é dona e controla The Rolling Stones, Duck Down, No Limit, N00 Tribe, Rap-ALot (The Ghetto Boys) com um imenso negócio de publicação de partituras avulsas. Tem interesse direto ou possui 231 lojas em sete países, inclusive HMV, Virgin Megastores, e Dillons (EUA). A EMI tem redes de TV por toda a Inglaterra e a Europa, algumas delas trabalhando em conjunto com Bertelsmann.
… .
Essa empresa holandesa teve receita de US$ 15,8 bilhões em 1996. Embora seja principalmente uma empresa de produtos eletrônicos, está na categoria dos “Seis Grandes” principalmente por possuir 75% da PolyGram Music.
Sua carteira de títulos é composta de Rock / Pop / Rap. Elton John é uma de suas propriedades. A Philips é a terceira no ramo de publicações musicais com 375.000 títulos de copyrights. Através de suas subsidiárias na Europa e na Inglaterra, a Philips produziu em 1998 540 milhões de CDs e fitas VHS. Sua Motion Pictures Division possui Jodi Foster, enquanto a Philips Television possui os filmes Sundance e os comerciais de Robert Redford.
… 
É necessário que formemos nosso próprio “exército invisível” de “tropas de choque” para chegar a todas as vilas e cidades em toda a extensão do território americano e dar o contragolpe que levará as tropas de Tavistock à total retirada e derrota definitiva.
A menos que se possa fazer oposição eficaz contra a metodologia de Tavistock, levar a verdade para o povo americano será uma luta penosa e sem fim. Estamos em guerra pela vida de nossa república legada por nossos Pais
Fundadores e pela geração que os sucedeu. Precisamos buscar ajuda divina para achar um líder da estatura de George Washington para tirar os Estados Unidos das trevas em que mergulharam.
Fonte: O Instituto Tavistock de Relações Humanas:
Conformando o Declínio Moral, Espiritual, Político e Econômico dos Estados Unidos da América
Autor: John Coleman
 
 
 

http://www.bibliotecapleyades.net/sociopolitica/esp_sociopol_mindcon07.htm
http://www.ivoox.com/control-mental-basado-trauma-mk-ultra-audios-mp3_rf_558786_1.html?autoplay=1

https://www.youtube.com/watch?v=5ymTtP4HOvM
pior é ver obama dissimular diante das cãmeras pela morte de estudantes e usar psicologia inversa de tentar reduzir venda de arma eua aos civis

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s